neurologia

Doença de Parkinson, AVC e cefaleia estão entre os temas que serão discutidos na sala de Neurologia

Três mesas redondas no dia 5 de novembro apresentarão como atuar com eficiência operacional, gerando melhor qualidade com foco na experiência do paciente a um custo adequado.

Os desafios da neurologia em diferentes vertentes serão discutidos durante o 2º Summit Internacional Americas em uma sala específica sob curadoria de Gustavo Kuster e João José Carvalho.

Serão três mesas redondas no dia 5 de novembro, começando às 15h, com Mariana Spitz falando sobre os “Desafios diagnósticos na doença de Parkinson”, seguida por Rubens Gisbert Cury abordando o tema “Tratamento avançado da doença de Parkinson: a última e a próxima décadas”. A moderação ficará por conta de Marcelo Calderaro.

Das pessoas com doença de Parkinson, 10% a 20% têm indicação de tratamento cirúrgico, que é, basicamente, a implantação de um dispositivo no cérebro para estimular a produção de dopamina. Nestes casos, especificamente, o paciente apresenta uma grande melhora.

O foco que será dado no Summit é saber quem são os pacientes que poderiam ser beneficiados. E se eles são beneficiados, por que não vêm procurar um sistema integrado de saúde em neurologia? “Esse é o grande mote: existe tratamento cirúrgico eficaz, efetivo e ético. Temos a melhor equipe do Brasil de Parkinson. E se tiver um paciente nessas condições, nos dê oportunidade de fazer uma avaliação e, por que não, realizar o tratamento cirúrgico”, comenta Gustavo Kuster, diretor executivo nacional do Sistema de Excelência Neurologia Americas.

Às 16h15, o assunto será “Cefaleia na emergência: a busca do Quadruple Aim”, com palestra de Leon Garcia sobre “a epidemia de opioides: desafios e oportunidades”, e de Marcio Nattan, sobre “Um protocolo, quatro objetivos”, com moderação de João José Carvalho.

Segundo Kuster, enfrentamos em nível global uma epidemia de opioides, como morfina e dolantina, medicações que não resolvem a dor de cabeça e causam dependência. Nos Estados Unidos, 40% a 50% dos pacientes com cefaleia usam opioides na fase aguda. No sistema Americas, são 16%, mas a meta é zerar sua utilização nos prontos-socorros. “Com a sessão, queremos chamar a atenção para este problema mundial e como resolvê-lo”.

Já o assunto AVC ganha espaço a partir das 17h15, com apresentações de Sheila Martins, sobre “Desafios e estratégias atuais para o tratamento agudo do AVC”, e de Daniel Bezerra, sobre “Protocolo de AVC: mudando atitudes e desfechos”, com moderação de Evelyn Pacheco.

Durante a pandemia, houve redução da chegada de pessoas com AVC nos hospitais e também do volume cirúrgico, principalmente cirurgias eletivas. “Isso vem sendo revertido agora, os pacientes deixaram de ter medo de procurar o hospital. Os meses de outubro e novembro são fundamentais para conscientização sobre a importância de buscar rapidamente atendimento em caso de AVC, porque cada minuto conta nesses casos”, lembra Kuster.

Ele destaca que o Americas tem o maior sistema integrado de tratamento de AVC do Brasil, conectando hospitais e neurologistas por meio da telemedicina. “São quase nove anos de experiência com resultados impressionantes. Muito similares ou até melhores do que benchmarks internacionais”.

Falando do macrotema do evento: “Sistema Integrado de Saúde e o Ciclo de Cuidado”, Kuster conta que o Americas trabalha com a equação de valor em saúde, composta por qualidade mais experiência do paciente sobre o custo do procedimento. “O objetivo dos Sistemas de Excelência, em especial do Neurologia Americas, é proporcionar mais qualidade ao sistema, garantindo melhor experiência ao paciente e realizando o procedimento com custo adequado. É ter o paciente certo no lugar certo, que faz parte dos princípios e valores da nossa empresa mãe, o UnitedHealth Group”.

Sobre as expectativas para o evento, Kuster diz que, embora os médicos gostem muito de grandes estudos científicos e novidades tecnológicas, o Summit pretende mostrar que é possível transformar a saúde com equipes integradas, processos alinhados, determinação e muito suor.

Quanto aos palestrantes, eles foram escolhidos pela expertise maior em cada área. “Temos sorte em contar com os melhores profissionais do Brasil em áreas específicas, que também têm networking com os melhores do país. Conseguimos trazer participantes incríveis para o encontro”, salienta Kuster.

As inscrições para o evento estão abertas e são gratuitas. Confira a programação completa e inscreva-se no link: www.summitamericas.com.br.

INS_noticia-intena_profile-writer.jpg
Americas Serviços Médicos

O mais moderno Grupo Médico-hospitalar do país

Acontece Americas

Conteúdos relacionados