Cardiologia

Sala de Cardiologia apresenta inovações em insuficiência cardíaca e doença valvar

Destaque para os palestrantes Renato Lopes, professor de Medicina da Divisão de Cardiologia da Duke University, e Fausto J Pinto, presidente da World Heart Federation.

Entre as salas temáticas do 2º Summit Internacional Americas está a de Cardiologia, que levará ao público discussões valiosas sobre inovação e como agregar valor em saúde, sob a curadoria de Valter Furlan, Pedro Barros e Andre Volschan.

Valter Furlan, diretor executivo do Hospital Samaritano Paulista e diretor do Sistema de Excelência Cardiologia Americas, lembra que a doença que mais mata no mundo é a cardiovascular, e pode ser prevenida. “Prevenção é educação e, para isso, são necessários profissionais, não necessariamente médicos, que entendam tanto de saúde quanto de educação e ajudem as pessoas a transformarem seu estilo de vida. Por isso, a sala de cardiologia é voltada para profissionais de diversas especialidades”, destaca.

As palestras acontecerão no dia 6 de novembro. A primeira, das 8h às 9h, discutirá o tema “Utilização de evidências para geração de valor em saúde: como integrar pesquisa clínica na rotina assistencial?” e será apresentada por Renato Lopes, um dos cardiologistas com mais publicações científicas no país e professor de Medicina da Divisão de Cardiologia da Duke University (Estados Unidos). O moderador será Marco Costa, CEO do Americas, e os debatedores, Dr. Andre Volschan, Dr. Claudio Tinoco e Dr. Pedro Barros, do Cardiologia Americas.

Um dos assuntos que serão tratados nesta sessão é como a Covid-19 mudou a pesquisa clínica. Normalmente, ela é custosa e levam-se anos para responder a uma determinada pergunta. “Mas, durante a pandemia, tivemos uma grande conquista, pois a pesquisa caminhou com os acontecimentos. Pacientes foram sendo incluídos, respondendo não a apenas uma questão, mas a várias em tempo recorde e com custo muito menor do que habitualmente”, ressalta Furlan.

De fato, investimentos de milhões de dólares e grandes ensaios clínicos respondem, às vezes, a uma pergunta só, e a pandemia trouxe uma nova oportunidade de modelos de pesquisas mais eficientes, métodos inovadores e grande colaboração institucional. Lopes participou de várias pesquisas no Brasil e em outros países e tem subsídios para falar sobre o assunto.

A sessão 2, das 9h às 10h, terá como foco a “Doença cardíaca estrutural em um Sistema de Excelência” e se iniciará com palestra de Fabio Sândoli sobre o cenário atual e as necessidades não atendidas. Na sequência, Henrique Ribeiro falará sobre as perspectivas para o futuro, tendo como debatedores Eduardo Infante e Alexandre Siciliano. Já Tarso Accorsi apresentará um caso clínico, e os debatedores serão Omar Vejia e Luiz Antonio Carvalho. A moderação ficará por conta de Dr. Expedito Eustáquio Ribeiro.

Esta sessão trará uma importante discussão sobre a doença valvar e o TAVI – Implante de Válvula Aórtica Transcateter, uma nova técnica que substitui a cirurgia e que acabou de ser incorporada ao rol da ANS – Agência Nacional de Saúde.

Furlan explica que as doenças valvares aórticas acometem pessoas mais idosas, que são bastante debilitadas, e esta nova técnica por intervenção percutânea evita abrir o peito do paciente, substituindo a válvula aórtica com vantagens. “Esta sessão propõe discutir justamente custo vs. efetividade e benefícios para os pacientes, cujo risco cirúrgico é muito alto. Alguns acabam morrendo sem cirurgia, por ela ser proibitiva na sua condição, sem falar daqueles que têm morte súbita”.

Também nesta sessão será tratada a geração de valor em saúde, que é o mote do Americas. A equação de valor é qualidade sobre custo: como é possível alcançar a maior qualidade possível com menor custo, considerando qualidade médica, desfechos, indicadores clínicos e a experiência do paciente.

Com moderação de Evandro Tinoco, a sessão 3 acontecerá das 10h15 às 11h15, tendo como tema a insuficiência cardíaca. Fausto J Pinto, presidente da World Heart Federation (WHF), falará sobre esta pandemia negligenciada, abordando o cenário atual e as necessidades não atendidas. Na sequência, Marcelo Montera apresentará um caso clínico, tendo como debatedores João David, Gustavo Duque e Pedro Paulo Nogueres. Encerrando, Múcio Tavares discutirá as perspectivas futuras.

Vale lembrar que a insuficiência cardíaca cresce à medida em que a população envelhece e acaba causando cardiomiopatia, reduzindo a qualidade de vida do paciente. Em 30 dias, quase 50% deles voltam a internar. A discussão é como fazer com que este paciente tenha melhor cuidado – e não somente o hospitalar.

“O Americas está muito focado no ciclo de cuidado inteiro e integrado deste paciente, para que ele tenha uma vida mais saudável e reduzindo ao máximo o número de internações. Há várias estratégias para o cuidado, como novas drogas bastante promissoras, devices que buscam melhorar o desempenho do músculo cardíaco e o transplante. Basicamente, é isso que discutiremos nesta sessão”, adianta Furlan.

A expectativa com as discussões desta sala é apresentar o que há de mais inovador na cardiologia, contribuindo para a disseminação do conhecimento, a fim de que os participantes possam ter contato com novas terapias e melhorar o desfecho clínico das doenças tratadas.

Furlan destaca que todos os hospitais que fazem parte do Americas seguem o mesmo guideline e discutem os indicadores de desempenho. “Com isso, trazemos uniformidade na conduta e no tratamento, baseados nas melhores evidências médicas. E, aliás, essa é outra razão de trazermos esses assuntos para o Summit: ressaltar a importância da pesquisa clínica baseada em evidências”.

As inscrições para o evento estão abertas e são gratuitas. Confira a programação completa e inscreva-se no link: www.summitamericas.com.br.

INS_noticia-intena_profile-writer.jpg
Americas Serviços Médicos

O mais moderno Grupo Médico-hospitalar do país

Acontece Americas

Conteúdos relacionados