Guia_Isolamento

Como conviver sob o mesmo teto com alguém infectado ou com suspeita de COVID-19?

Preparamos um guia mostrando como fazer o isolamento domiciliar de forma a garantir o cuidado adequado e a segurança de todos dentro de casa. 

O isolamento domiciliar é fundamental para evitar que pessoas com COVID-19 ou com sintomas que fazem suspeitar da doença disseminem o vírus para os demais moradores da residência e para outros indivíduos. No entanto, muita gente fica em dúvida sobre como agir em determinadas circunstâncias ou como superar dificuldades impostas pela realidade, como conviver com um idoso doente que não pode ser deslocado ou morar em uma casa pequena onde muitas pessoas dividem o mesmo espaço.

“Mesmo nessas situações é possível adotar medidas que reduzem o risco de propagação do vírus”, garante a Dra. Daniella Costa de Menezes e Gonçalves, infectologista do Hospital Samaritano Higienópolis, de São Paulo, que nos ajudou a preparar as dicas abaixo, com um guia básico de isolamento domiciliar. Confira!

Quem deve ficar isolado e por quanto tempo?

  • O isolamento domiciliar é indicado para casos confirmados ou suspeitos de COVID-19, desde os sintomas iniciais. Os demais moradores da casa também devem ficar em isolamento, sem realizar atividades externas, mesmo que não apresentem sintomas.
  • O período do isolamento é de 14 dias após o primeiro dia de sintomas. Quando há mais de uma pessoa na casa nessa condição, o isolamento de todos deve ser de 14 dias a partir do dia dos sintomas do último morador. Quem teve confirmação da infecção por meio do teste de detecção do vírus e não tem sintomas deve cumprir 10 dias de isolamento a partir da data do exame.

Que medidas são essenciais no isolamento?

  • O cômodo do isolamento ou quarto em que o doente está alocado deve permanecer com a porta fechada, mas com janelas abertas para manter o ambiente arejado.
  • Todos os objetos usados pela pessoa com COVID ou suspeita devem ser separados dos utilizados pelos outros membros da casa, como roupa de cama, toalha, talheres, copos, pratos, sabonete, etc. Esses itens devem ser cuidadosamente higienizados com água e sabão, e a roupa de cama ser trocada regularmente, se possível pela própria pessoa em isolamento, e colocada em um saco plástico até ser lavada.  
  • A limpeza do ambiente é de extrema importância. Não só o chão, mas todas as superfícies, além de maçanetas, objetos de uso compartilhado (como telefone e computador) precisam ser limpos diariamente com álcool, água e sabão ou água sanitária.

O que fazer quando a casa é muito pequena?

  • O portador do vírus ou com suspeita precisa ser separado o quanto possível dos demais moradores, preferencialmente em um cômodo exclusivo. Se a residência tiver um único quarto, é recomendável que os demais sejam alocados na sala.
  • Quando não há como fazer essa separação, mantenha a área arejada e o distanciamento entre as pessoas. Nesses casos, todos os moradores da casa devem usar máscaras.
  • Se a residência só tiver um banheiro, o lixo gerado pela pessoa infectada ou com suspeita precisa ser separado, se possível por ela própria. É importante fazer um invólucro duplo e identificar que aquele resíduo pode estar infectado por COVID-19 para que quem o manuseie tenha o máximo cuidado. Após usar o banheiro, a própria pessoa deve fazer a desinfecção de pia e vaso sanitário. Além disso, valem as mesmas recomendações de limpeza de piso, box, maçanetas, etc.
  • Ambientes menores requerem reforço nas medidas básicas, como uso de máscara mesmo dentro de casa, constante higienização das mãos e cuidados para garantir boa circulação do ar.

Como lidar com idosos acamados durante o isolamento?

  • Idosos com enfermidades ou acamados que não podem ser retirados de casa devem permanecer afastados o quanto possível dos demais membros da casa, de preferência em um cômodo separado, para evitar que sejam infectados. 
  • Se o idoso estiver com COVID-19, é fundamental adotar todas as medidas citadas nos itens anteriores. Além disso, é importante que o responsável por seu cuidado e alimentação do idoso utilize máscara, óculos de proteção e avental e lave bem as mãos antes e depois da manipulação. Nesses casos, o ideal é lavar a roupa de cama diariamente e colocar uma forração impermeável sob a roupa de cama para evitar que o colchão seja contaminado.  

Quando fazer o exame para diagnóstico de COVID-19?

  • O PCR é o exame utilizado para detectar a infecção pelo novo coronavírus. O ideal é que seja realizado entre o 3º e o 7º dia do surgimento dos primeiros sintomas. Pessoas assintomáticas podem fazer o exame assim que souberem ter tido contato próximo com alguém infectado.
  • Segundo a Dra. Daniella, o exame sorológico para detecção da infecção não é recomendado, pois os resultados não são precisos, gerando falsos positivos ou falsos negativos.

Sempre vale lembrar...

  • Use a máscara corretamente, cobrindo boca e nariz.
  • Troque de máscara descartável sempre que ela estiver úmida ou a cada 4 horas. Máscaras caseiras devem ser trocadas quando estiverem úmidas ou a cada 2 horas e precisam ser lavadas diariamente.
  • Siga as recomendações de distanciamento social: evite aglomerações, festas, viagens e saídas desnecessárias. “O apelo fica principalmente para jovens que moram com idosos ou pessoas com comorbidades e imunidade baixa”, conclama a Dra. Daniella.
  • Pessoas com doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e outras, não devem interromper o tratamento e redobrar os cuidados para prevenir a infecção pelo novo coronavírus. Para a assistência, é importante procurar hospitais ou clínicas que tenham fluxos separados e protocolos específicos para atendimento de pacientes com e sem COVID.

 

NS_noticia-intena_profile-writer.jpg
Americas Serviços Médicos

O mais moderno Grupo Médico-hospitalar do país