Imagem com texto 'Diabetes, câncer e obesidade'.

O elo entre câncer, diabetes e obesidade

11/01/2018 - 2 minutos de leitura

Cientistas mensuraram o impacto do excesso de peso e do diabetes no desenvolvimento de tumores. E descobriram que eles estão por trás de, aproximadamente, 800 mil novos casos por ano no mundo

Não bastasse o tremendo potencial de causar infarto, AVC e outros problemas graves, a dupla diabetes e obesidade também seria responsável por desencadear uma parcela significativa dos casos de câncer. A constatação tem base em uma revisão de estudos de 175 países, liderada pela Imperial College London (Inglaterra) e publicada na revista científica The Lancet Diabetes & Endocrinology.

De acordo com os pesquisadores, cerca de 6% de todos os casos da doença registrados globalmente seriam atribuídos aos efeitos combinados do diabetes e da obesidade. No período avaliado (em 2012), foram cerca de 800 mil episódios. Entre os 12 tipos de tumor mencionados, estão os de pâncreas, endométrio, tireoide, esôfago, fígado, mama, ovário e colorretal.

Os mecanismos por trás da associação não estão completamente elucidados. Mas, o que se saber é que, tanto o excesso de peso quanto o de açúcar desencadeiam processos inflamatórios no organismo, podendo induzir as células à multiplicação desordenada, que origina o câncer.

Sem contar que o tecido gorduroso fabrica substâncias semelhantes ao hormônio feminino estrogênio — e há tumores que dependem dele para se desenvolver. Daí que o excedente em circulação poderia favorecer o surgimento do problema.

Isso tudo justifica uma perspectiva nada animadora: se os índices de diabetes e sobrepeso continuarem a crescer, os tumores relacionados a eles tendem a aumentar 30% em mulheres e 20% em homens, até 2035, segundo estimativa dos autores do levantamento.

O lado bom da história é que os dois fatores de risco podem ser controlados, reduzindo o risco de o câncer se manifestar. No caso do diabetes, o mais importante é manter o controle da glicemia, tomando à risca os medicamentos prescritos pelo endocrinologista, adotando uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos — hábitos que, aliás, também contribuem com o emagrecimento. Se a batalha contra a balança for muito penosa, no entanto, é fundamental pedir ajuda a um especialista.

Fonte: Dra. Clarissa Baldotto, diretora médica de cuidado integrado, do Americas Centro de Oncologia Integrado (RJ).

Logo do Americas Serviços Médicos
Autor Americas Serviços Médicos

O mais moderno Grupo Médico-Hospitalar do país.