A imagem mostra uma mãe segurando seu bebê.

O parto ideal para o seu filho

03/01/2018 - 3 minutos de leitura

Normal ou cesárea? A melhor via de nascimento é a mais segura para a saúde da mãe do bebê. No Brasil, porém, essa nem sempre é a lógica que norteia a decisão. Venha se munir de informações para garantir que seu filho venha ao mundo da maneira mais adequada: para você e para ele!
 
Prova de que a natureza é sábia é que o nascimento por via vaginal implica em uma série de vantagens para mãe e filho. Primeiro, porque o trabalho de parto, em si, é um indício de que o bebê já está realmente pronto para deixar o ventre materno. Quando uma cesárea é agendada, não dá para ter certeza. Tanto é que, segundo o Ministério da Saúde, o procedimento com data marcada aumenta em 120 vezes os riscos de problemas respiratórios na criança. 
 
Segundo porque o processo natural, por si só, contribui com a saúde da mulher e do bebê. Só para citar alguns exemplos, ele favorece a produção de leite materno, reduz o risco de hemorragia na mulher e fortalece o sistema imunológico do recém-nascido — ao passar pelo canal de parto, ele entra em contato com bactérias do bem, que ajudam a estruturar seu arsenal de defesa.
Tais argumentos não significam, entretanto, que o parto tem de ser normal a qualquer custo. Até porque, existem situações em que a cesárea é a opção mais adequada. O importante é conhecer todas essas particularidades para tomar a melhor decisão possível na hora agá, em conjunto com seu médico. 
 
Graças às campanhas maciças para diminuição das cesáreas desnecessárias, as taxas vêm caindo. Mas, ainda são altas. Os últimos dados do Ministério da Saúde apontam que o parto cirúrgico representa 55% do total de nascimentos, sendo que a recomendação da Organização Mundial de Saúde é que o percentual não ultrapasse 15%. 
 
Então, a dica de ouro é esperar que seu filho dê sinais de que está maduro para nascer. Ou seja, se estiver tudo em ordem com a gravidez, aguarde o trabalho de parto. A criança será beneficiada, mesmo se, por algum motivo justo, a cesárea for necessária. 
 
Tenha uma conversa franca com seu obstetra, durante a gravidez e quando se aproximar o momento de dar à luz. Questione, não fique na dúvida. Juntos, vocês podem chegar à conclusão sobre qual a maneira ideal de o seu pequeno nascer. 
 
Para ajudar você a embasar essa discussão, listamos as principais indicações de cesárea, ou seja, ela é o método mais adequado para evitar riscos. E, também, aqueles em que o caso precisa ser analisado individualmente. Dê uma olhada e se lembre de que, quando a saúde está em plena harmonia, o melhor é deixar a natureza agir:

Indicações de cesárea

Descolamento prematuro de placenta

Essa intercorrência é grave e provoca hemorragia, ameaçando mãe e bebê. Portanto, é necessário realizar o parto rapidamente (na maioria das vezes, optando por uma cesárea de emergência), para aumentar as chances de ambos.
 
Placenta prévia central

Essa condição significa que a inserção da placenta é mais baixa do que o normal, o que inviabiliza o parto normal, por representar risco de hemorragia.
 
Herpes genital

O vírus da doença tem potencial de afetar o sistema nervoso do bebê. Por esse motivo, se a mulher estiver com lesões ativas no dia do parto, o melhor é optar pela cirurgia.
 
Prolapso de cordão umbilical

É quando o cordão umbilical é expulso antes do bebê. Embora isso aconteça com pouca frequência, trata-se de uma situação grave, pois a circulação para a criança pode ficar comprometida.
 
Feto em apresentação anômala 

Quando ele não está com a cabeça para baixo na pelve, é necessário considerar a cirurgia.

Alteração da vitalidade fetal 

Por meio de exames como a ultrassonografica e a cardiotocografia, os especialistas conseguem detectar sinais de sofrimento fetal, por diminuição aguda da oxigenação.

Cardiopatia materna e/ou fetal 

Há determinados casos de problemas cardíacos, na mãe ou no bebê, em que o parto vaginal é contraindicado.

Cesárea de repetição 

Se a mulher já deu a luz dessa forma, mais de duas vezes.
 
Cicatriz uterina prévia 

Vale para quem já precisou se submeter a procedimentos como a retirada cirúrgica de um mioma, anteriormente. 
 
 Caso a caso
 
Há, ainda, os quadros em que a indicação de parto cesáreo não é absoluta, mas as condições da gestante e do bebê devem ser avaliadas individualmente, pesando prós e contras. É o caso de gravidez de gêmeos, em que a decisão vai depender da posição das crianças na hora do nascimento; de desproporção céfalo-pélvica, quando o tamanho do bebê ou a bacia da mãe impossibilita sua passagem pelo canal de parto; de falha na indução do trabalho de parto; de presença de mecônio, aquele primeiro excremento do feto que, dependendo da espessura, pode ser aspirado, acarretando problemas; de mulheres portadoras de alguns vírus, como o do HIV e o da hepatite C; de cesariana prévia; e de pré-eclâmpsia grave (uma alta súbita e perigosa na pressão arterial), entre outras.

Fonte: Dr. Guilherme Negrão, ginecologista do grupo Americas Serviços Médicos.

Logo do Americas Serviços Médicos
Autor Americas Serviços Médicos

O mais moderno Grupo Médico-Hospitalar do país.